domingo, 3 de maio de 2015

Ensaio sobre a dor

Não está na moda escrever sobre a dor
Assim como nunca esteve.
As pessoas querem o clichê:
Contos de fadas, finais felizes, enfim, a vida perfeita.
Entretanto, eu estou aqui para dizer que a vida não é perfeita,
Ela é repleta de dor

A dor de nascer no lugar ao qual não se pertence
A dor de querer o que não se pode
A dor de ver a sua vida passar enquanto você espera que as coisas melhorem
A dor da impotência
A dor da ausência
A dor da humilhação
A dor da opressão
A dor da injustiça
A dor de qualquer coisa...

Ardor no meu peito
Ardor em minh’ alma

Sim, eu sou o poeta triste
O poeta da dor
Assim como deve existir o poeta do amor

Mas rejeitar a dor significa rejeitar a realidade imanente e inviolável
Rejeitar a realidade é tudo o que o feliz quer
Pois a realidade não nos permite ser felizes

Sorrir na hora que está triste é hipocrisia
Uma hipocrisia com a qual estamos acostumados

Ser o poeta da tristeza é um fardo!
Não é para covardes!
Afinal, quem tem coragem de assumir a triste realidade das coisas?
Tampouco, admitir que sente dor todos os dias?

Ok, a vida não é só feita de tristeza.
Argumentar isso você pode,
Mas uma parte considerável dela, é

A dor emocional é ainda mais dura que a física
Visto que a física, você ainda pode tocar, massagear, colocar gelo
Todavia, como eu poderia colocar gelo em minha alma?

Eu sou o poeta da dor
Pois dela eu entendo
Ainda bem
Pois isto significa que eu ainda sinto
Meu coração, literalmente, sangra todos os dias
E quem sequer tem coração?

2 comentários:

  1. Depois de tanto tempo, eis-me de volta a visitar um dos meus blogueiros queridos, a quem tenho carinho e admiração.

    Um poema permeado de poesia por todos os lados, poeta da dor!
    Muito bem estruturado os versos, porém, o que ressalta de tua escrita, é essa capacidade incrível de conhecer-se, e legitimar-se com a tua forma de ser e sentir. Lindo isso, Anselmo.

    Tenho escrito alguns textos sobre dor...Qualquer dia os postarei.

    Teu blog está um primor.

    Beijinhos de fã e admiradora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, Maria Lucia.

      É uma honra, como sempre, receber um comentário seu em meu texto.

      Aliás, texto este, que eu já não me recordava tendo vista a data de sua postagem (maio de 2015). Obrigado por recobrar a consciência deste blog. :)

      Enfim, agradeço pelos elogios. E de certo, tentarei voltar a escrever nele e visitar o Centelha Luminosa. Beijos

      Excluir