quarta-feira, 5 de novembro de 2014

A crescente onda de antipetismo



Acredito que este tsunami antipetista que se instaurou é proveniente, sobretudo, da desinformação. Não ler a notícia completa e se limitar apenas à manchete são uma das principais características do antipetista ferrenho. Além é claro, de se contentar com o que se veicula nas mídias mais tradicionais de informação e, por isso, mais acessadas. Mas não necessariamente confiáveis.
Queridos amigos, é preciso dizer que essa mídia estabelecida aí, isto é, todo o monopólio da informação, alguns exemplos são: Rede Globo, Veja, Estadão, Folha de S. Paulo. É o que compõe o PIG (Partido da Imprensa Golpista)? Passe a acompanhar as mídias alternativas independentes, aquelas que não necessitam de grande capital para funcionar. Essas, indubitavelmente, são largamente mais imparciais, logo, mais confiáveis. Caso o faça, com certeza você irá sentir uma nítida diferença.
Se Aécio conseguiu 50 milhões de votos foi devido à parcela equivocada do povo. Afinal de contas, para alcançar tamanha expressão de votos haja “Jereissatis”, “Neves”, “Alckmins”, “Serras”, “Cardosos”, entre outros. Então, foi por conta desses antipetistas tresloucados que eu me vi obrigado a votar em Dilma. Embora eu tivesse, e ainda tenha, grandes divergências com a política adotada por este partido que se diz “dos trabalhadores”. É mais ou menos como diz aquela pilhéria: “Malditos antipetistas que me fizeram votar em Dilma!”.
Uma forte motivação para a avalanche de votos que recebera Aécio dá-se através do preconceito e paranoia em relação ao comunismo. Quanto a isso, deixemos claro o seguinte: o PT não é comunista. Tampouco de esquerda. Eles se definem como sendo de “centro-esquerda”, mas particularmente falando, eu o definiria como “centro-esquerda-meia-boca”, ou o mesmo que “centro-centro” (nada a ver com comunismo), entende? E como não poderia faltar, eu recomendo a todos que tenham “medo” do comunismo que leiam Karl Marx, pois a única maneira de entender um tema é estudando-o, e não vomitando preconceitos e achismos. 
Além das claras tentativas de golpe de mídia a fim de depor Dilma, o que também gera antipetismo nas pessoas é o próprio comodismo delas. É muito mais confortável focar a culpa de todos os males do mundo em um único alvo. É um discurso fácil de criar e de se repetir, como fazem feitos papagaios da mídia tradicional. É muito cômodo terceirizar a investigação dos fatos e aceitar uma manchete de jornal, ou uma capa de revista como verdade absoluta. As pessoas necessitam de uma dose de discernimento. Definitivamente, não podemos crer em tudo o que os jornais nos transmitem! Lembre-se que, outra forma de manipulação conhecida é a de ofuscar informações. Ou seja, a mídia interesseira simplesmente não mostra o que rebate as suas críticas. Basicamente, ela dá ênfase ao que lhe é favorável e esconde o que lhe é refutável.
Aliás, é muito conveniente ser antipetista depois de assistir o Jornal Nacional ou ler a Veja. Pois essas mídias não ousam publicar sequer um caso de corrupção envolvendo os partidos que elas apoiam, como o PSDB, seja dito de passagem. Ao passo que fazem questão de linchar publicamente um partido como o PT e o seu guru, Lula.
E infelizmente, as pessoas que estão se politizando agora, são presas fáceis para essa mídia manipuladora. Quer dizer, está na moda ser antipetista. E quem lança as modas na sociedade são justamente os veículos de informação, bem como, os ditos formadores de opinião. 
É fácil chegar em casa, ligar a televisão no “Jornal Nacional”, assim como também é muito fácil assinar a Veja, apanhar o Estadão ou a Folha de S. Paulo na primeira banca de jornal. Enquanto que requer mais esforço pesquisar diferentes fontes de informação sobre um determinado assunto.