quinta-feira, 1 de maio de 2014

A direita e a esquerda política

Este texto tem como intento principal tecer uma crítica construtiva à esquerda de modo geral, a partir de um observador que tem boa parte de seus pensamentos alinhados a própria esquerda. E acrescento também, que visa esclarecer ao público mais leigo e indefinido quanto a esta rivalidade histórica.

Pois bem, este conflito tem o seu início marcado na época da Revolução Francesa (1789). Onde os membros da assembleia nacional dividiam-se à direita em apoio ao rei e aos velhos costumes tidos como "bons", e em oposição, ficava à esquerda os de visão mais progressista. Há ainda, no século 19 o surgimento dos “moderados”, por assim dizer, que por sua vez, posicionavam-se ao centro.

Não obstante, como sempre ocorre as coisas vão ganhando novas significações ao longo do tempo. Eis que chegam os meios de comunicação mais modernos, e que se apropriam dos termos “direita” e “esquerda” para se referirem às crenças políticas dos cidadãos. Seja como for, todos nós sabemos que não só hodiernamente, mas também sustentado pela própria origem, os esquerdistas são os reformadores da sociedade, os que preconizam medidas revolucionárias em prol do povo. Ao passo que os direitistas são os conservadores, e se preconizam algo, decerto não é para o bem geral, e sim, para a conservação do poder, riqueza e influência nas mãos de poucos indivíduos.

Para deixar ainda mais claro, a direita está atrelada ao fascismo, neoconservadores, capitalistas, reacionários, classe média, neoliberais, monarquistas, nacionalistas, nazistas e por aí vai. Diante disso, é redundante explicar porquê a direita é tão repugnante. Enquanto que a esquerda compõe: progressistas, sociais-liberais, ambientalistas, democrático-socialistas, civis libertários, comunistas e anarquistas. Isto é, bem diferente.

Nomenclaturas à parte, francamente, eu não defendo o recrutamento de indivíduos para nenhum dos lados. Pois do meu ponto de vista, ambos os lados são falhos. Embora a direita seja extremamente pior, visto que a mesma já se equivoca em seu princípio de conservação, ou seja, mantém a brutal segregação social, dividindo os grupos humanos entre dominantes e dominados, de modo a condenar a sociedade a pior maneira de se viver, isto é, desigualmente. Por essas razões, eu lhe peço: seja qualquer coisa, menos um direitista!

A esquerda, por sua vez, atende aos príncipios mais humanos possíveis. Sendo a igualdade social, vide socialismo/comunismo. E a total liberdade dos indivíduos ante ao Estado, haja vista, o anarquismo.

Por fim, após tais elucidações, eu gostaria de ressaltar o perigo da natureza humana, e é justamente ela a responsável por uma esquerda certas vezes lamentável. Cito: a esquerda apática, cega, intolerante, hipócrita, e grosseira. Paradoxalmente, a esquerda algumas vezes se assemelha com a direita.

Portanto, meu pedido final é: por favor, não transformem a esquerda em direita, jamais!